Bradesco Day: Tudo de BRA para você!

os fundamentos da transformação estrutural brasileira parecem começar a fazer preço sob a ótica dos investidores internacionais.

Ontem no Bradesco Day tivemos a oportunidade de ouvir o management do banco, as estratégias e expectativas para os próximos anos. Na abertura do evento, o destaque foi a aquisição do HSBC Brasil. Toda a equipe do Bradesco está satisfeita com a conclusão do processo de integração da plataforma, das agências e de branding. Enxergam na aquisição do HSBC uma complementariedade importante de negócio, principalmente no segmento de alta renda – melhor know how do HSBC.

Na primeira parte do evento, o Economista-Chefe (Otávio de Barros) nos deu uma visão sobre a economia mundial e local, incluindo projeções dos principais indicadores econômicos. Segundo ele estamos vivendo um período de “estagnação secular”, caracterizado por baixo crescimento da economia mundial, ainda que haja liquidez global. Os fatores que o levam acreditar na estagnação são (i) não existe uma “locomotiva” na economia mundial para puxar o crescimento; (ii) o mundo está em um período de desalavancagem, ainda reflexo da crise de 2008; (iii) protecionismo em evidência (principalmente pós vitória Trump); (iv) ociosidade industrial; (v) comércio mundial crescendo abaixo do PIB mundial; (vi) baixa demanda; e (vii) aumento da desigualdade no planeta.

No cenário doméstico, o economista está convencido de que o país só irá superar a recessão por meio de reformas, queda na taxa de juros e com a ajuda da liquidez global, através de investimento direto estrangeiro no Brasil. Existe uma significativa mudança na atividade do país, que só será recuperada a partir de 2019. Se assim ocorrer, é esperado crescimento do crédito, controle de PDD e queda da inadimplência.

O vice-presidente executivo, Josué Pancini, reforçou a estratégia de cobertura nacional, com presença em todos os municípios do Brasil e utilização do conhecimento adquirido em cada localidade, fazendo uma gestão intensa da rede de agências. As vantagens desta estratégia são adequação de custos e melhor posicionamento em relação ao portfólio de produtos financeiros e seguros.

Para Luiz Carlos Trabuco, a unidade de Seguros é um dos principais eixos de negócios, com potencial crescimento acima dos demais segmentos. Acreditam que exista grande oportunidade de crescimento, pois hoje é um produto pouco utilizado e ainda com muito espaço de penetração, devido ao baixo nível de coberturas de riscos. Tendências de longevidade dos indivíduos e papel do Estado cada vez menor na vida das pessoas são exemplos de contribuição para o crescimento do negócio de seguros. Com canal multilinhas e pulverizado, o banco não se limita aos seus clientes, buscando outras formas de captação.

Para o próximo triênio (2017 a 2019) as estratégias são (i) efetivação de sinergia entre Bradesco e HSBC, resultando em um ganho de R$ 3,5 bi/ano a partir do terceiro ano; (ii) recuperação de créditos não performados ou perdidos.

Para os executivos, o grande desafio futuro é a tecnologia, integrando agências físicas com mundo digital, buscando otimização das agências bancárias.

Para maiores informações sobre a tendência do mercado de bancos brasileiros e qual a melhor opção de investimento entre eles assine nosso produto Renda Variável.