Construindo seu Futuro: Copom sinaliza que pode subir Selic antes do previsto

Conforme esperado pelo mercado, o Copom (Comitê de Política Monetária) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano pela quarta reunião consecutiva. No entanto, o Comitê sinalizou a possibilidade de subir a Selic antecipadamente, no caso de o balanço de riscos piorar.

Embora a Selic tenha sido mantida em 6,5% ao ano, a nossa visão é de que o investimento em Fundos Imobiliários (FIIs) seja atrativo no médio e longo prazo, já que acreditamos na retomada da atividade econômica e melhora no consumo. Além disso, passadas as incertezas advindas das eleições, deverá haver um novo fluxo de IPOs (Initial Public Offering) e Follow on’sfortalecendo os FIIs como investimentos eficientes no mercado imobiliário.

Os riscos citados pelo Copom envolvem uma reversão na agenda reformista e uma deterioração nas condições externas para países emergentes. O comunicado ressaltou os efeitos benignos que as reformas estruturais podem trazer à economia brasileira, reiterando que a continuidade desse processo afeta positivamente as expectativas e as projeções macroeconômicas correntes.

Quanto ao dólar, novamente o Copom citou que não utilizará mecanismos monetários para intervir na taxa de câmbio e que somente combaterá os efeitos secundários dos choques causados pela moeda estrangeira.

Mas os efeitos secundários já serão reduzidos devido à ociosidade da economia e a plena ancoragem das expectativas inflacionárias, o que enfatiza o argumento de que não há uma reação mecânica entre o câmbio e o juro. A ociosidade também foi classificada como a responsável pela inflação baixa, e não mais a inércia.

Confira agora os destaques entre os Fundos Imobiliários dos dias 14 ao 21:

BRCR: Fundo Imobiliário de lajes corporativas, juntamente com o FII Prime Portfólio, ambos sob gestão do BTG Pactual, publicaram fato relevante ao mercado no dia 17 informando que foram concluídas tratativas relacionadas às propostas de compra e venda de ativos entre com a Brookfield Property Group e que o contrato para regular a operação foi celebrado.

Em uma de nossas conversas com os administradores desse Fundo Imobiliário, foi esclarecida que a distribuição do ganho de capital será feita sob regime de caixa, ou seja, conforme o Fundo receber os valores da transação.

O BRCR11 tem tido participação constante dentre as nossas recomendações de portfólio, pela característica de gestão; representatividade do Fundo e fundamentos do patrimônio com objetivo de ganho de capital, visto que estava subvalorizado.

A transação anunciada envolve os seguintes ativos pertencentes aos FIIs: 51% da fração ideal do Edifício Eldorado Business Tower; 100% da participação dos Fundos no Edifício Flamengo do Bloco A; 75% da fração ideal do Edifício Brazilian Financial Center e 100% da participação dos Fundos no Edifício Torre Almirante. Esses imóveis terão como preço de venda, um total de R$ 1.328,5 bilhão.

Os ativos da Brookfield são: 100% das cotas do FII CJ, detentor das unidades que correspondem a fração ideal equivalente a 50% do Edifício Cidade Jardim; fração ideal equivalente a 20% do Edifício Senado e 100% das cotas do FII MV9, detentor da totalidade do Edifício MV9. O valor total líquido destes imóveis da Brookfield é de aproximadamente R$ 671 milhões.

Ainda no documento, é esclarecido que, caso as estimativas da gestora estejam corretas, a transação tem previsão para acontecer até 28 de dezembro.

Sendo a expectativa de impacto na distribuição de rendimentos do fundo, após o recebimento integral do preço de venda referido anteriormente, de aproximadamente R$ 14,37 por cota.

BCFF/MGFF/RBRF: Fundos Imobiliários que investem em outros Fundos, administrados pelo BTG Pactual, comunicaram ao mercado na última terça-feira, por meio de fato relevante, que, em decorrência de recebimentos eventuais de FIIs investidos, os Fundos receberão rendimentos extraordinários nos valores de R$ 0,75; R$ 0,10; R$ 1,53 por cota, respectivamente.

Esses acontecimentos anunciados foram o recebimento de R$ 7 milhões pelo FII FPAB no último dia 11 e a conclusão das tratativas do acordo de compra e venda entre o FII BRCR e a Brookfield Property Group, o que impactará a distribuição de rendimentos do BC Fund em cerca de R$ 14,35 no momento em que os valores foram recebidos.

VISC: Fundo Imobiliário do segmento de shopping centers informou ao mercado, na última quarta-feira, por meio de fato relevante, que adquiriu na mesma data cerca de 16,7% de participação no Shopping Tacaruna, localizado na cidade do Recife (PE), pelo valor de aproximadamente R$ 80 milhões, o que representa cap rate 10,6% sobre o resultado esperado para os próximos 12 meses de operação do shopping.

A administradora esclarece que essa aquisição faz parte do plano de destinação de recursos da 4ª emissão de cotas do Fundo Imobiliário ocorrida em abril, na qual foi captado aproximadamente R$ 500 milhões.

Em nossa visão, o cap rate da transação é atrativo, mas o shopping merece atenção, pois há o Shopping Boa Vista em Recife a 4 km de distância e o Patteo Olinda Shopping a 8 km de distância, o que denota uma concorrência próxima.

Esta edição fica por aqui!

Você está gostando da newsletter Construindo seu Futuro? Por favor, envie sua opinião para [email protected].

Uma ótima semana a todos!

Um abraço,

Raul Grego

Imagina investir em um ativo que paga dividendos mensais, é isento de Imposto de Renda e tem um alto potencial de valorização? Esses são apenas alguns dos benefícios alcançados por quem investe em Fundos Imobiliários. Comandado por Raul Grego, o Fundos Imobiliários é o produto da Eleven que seleciona e recomenda os melhores Fundos Imobiliários do mercado.

Quer saber mais sobre essa janela de oportunidade? Conheça o Fundos Imobiliários!