Construindo seu Futuro – Para bom entendedor…

Para bom entendedor…

Estamos no último dia de abril e o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) do mês já foi divulgado. Segundo a FGV, este índice apresentou uma variação de 0,57%, número um pouco acima das expectativas.

Conhecido como um dos principais indicadores para reajustes contratuais de aluguel, o IGP-M acumula alta de 1,9%, animando quem investe em imóveis.

Boas previsões

Eu também estou empolgado, pois as previsões são boas. A expectativa é que o indicador mantenha seu ritmo de crescimento estável, alcançando 4% no fim deste ano. O resultado? Benefícios para os reajustes de contratos de aluguel a partir de 2019.

 

Uma forcinha da economia

A combinação baixa taxa básica de juros e controle inflacionário é um assunto recorrente aqui, não? Não poderia ser diferente, porque estas duas condições econômicas influenciam o crédito e os investimentos das empresas, produzindo e gerando empregos para o país.

Assim, o cenário esperado para o setor de propriedades para o aluguel é de redução expressiva na vacância dos edifícios comerciais, aumento do faturamento dos shoppings e manutenção da atividade – com possível expansão à ABL- dos galpões logísticos.

Desta maneira, o mercado de Fundos de Imobiliários é uma ótima pedida para os investidores, pois pode trazer rendimentos bem interessantes. Logo, as novas ofertas públicas surgem como bons sinais. Ou seja, os gestores querem oferecer mais estes produtos.

Fique de olho

Uma dica: há fundos imobiliários que podem ser alternativas mais atraentes do que novas emissões. Este mercado está crescendo tanto que impressiona. Ele pode dobrar de tamanho ao longo do ano com as novas ofertas que estão chegando por aí, preste atenção no que estou dizendo!

Nas próximas semanas, você receberá relatórios com recomendações sobre as próximas emissões e poderá conhecer estas oportunidades.

Gostaria muito de saber sua opinião, dúvidas e/ou sugestões sobre o mercado imobiliário e FIIs! Para isso, basta  enviar o seu e-mail para:  riqueza@elevenfinancial.com.

Aproveite para acompanhar os nossos relatórios assinando o Riqueza em Construção.

Uma ótima semana a todos.

Um abraço,

Raul Grego

Na última semana (23/04 a 27/04), os destaques para os fundos imobiliários foram:

 

FAMB – O fundo monoativo que detém a totalidade do Edifício Almirante Barroso localizado na cidade do Rio de Janeiro realizou assembleia para deliberação sobre a assinatura de novo contrato de locação com a atual locatária (Caixa), com realização da 2ª emissão de cotas e contratação do BTG como coordenador líder. Os cotistas, representando pouco mais de 34% do total de cotas do fundo, rejeitaram o novo contrato que reajustaria o valor de aluguel a um valor em linha com o praticado no mercado do Rio de Janeiro, com prazo de 10 anos e que envolveria obras para melhorias do edifício.

FLRP – Vai até o dia 14 de maio o período para exercer o direito de preferência da 3ª emissão de cotas do FII Floripa Shopping. A oferta restrita é no volume total de mais de R$ 4 milhões ao valor unitário de R$ 1.106,89, já inclusos os custos de emissão. Os cotistas interessados poderão exercer o seu direito na proporção de 0, 0792.

AGCX- O fundo de agências bancárias locadas à Caixa realizou a aquisição de seis novas unidades. O investimento foi de pouco mais de R$ 30,6 milhões e totalizou uma receita de aluguel de R$ 254 mil, representando um Cap Rate médio de 10,3%. Apesar do retorno atrativo no curto prazo, seguimos com recomendação negativa para os fundos do segmento de agências bancárias, pois acreditamos que o modelo atual de agências bancárias passará por alterações que podem prejudicar significativamente o retorno destes fundos, representando riscos desnecessários.

HGB – Passaram a ser negociadas as cotas do ex-desdobramento do CSHG Brasil Shopping no dia 27 de abril, dia seguinte ao da aprovação em assembleia do fracionamento na proporção de 10 para 1.

GGRC – O Covepi Renda FII adquiriu mais um imóvel com o montante arrecadado em sua 2ª emissão de cotas. O empreendimento está localizado na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul e, locado à CRBS S.A., subsidiária da Ambev. A compra foi no valor de R$ 33 milhões com contrato de locação a um valor mensal superior a R$ 287 mil e com validade até março de 2025. A aquisição representa um valor bruto de rendimento por cota de cerca de R$ 0, 075 e representa um cap rate de 10,45% a.a.