Construindo seu Futuro – Qualidade dos imóveis e força de contratos fortalecem FIIs

Qualidade dos imóveis e força de contratos fortalecem FIIs

O Brasil ganhou, depois de um jogo sofrido com o México! Assim, em ritmo de Copa e de torcida, eu começo a semana!

E ela se inicia com dados da FGV. De acordo com o instituto, o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) para o mês de junho teve alta de 1,87%, a maior desde outubro de 2015 (1,89%). Vale lembrar que este índice é conhecido como um dos principais indicadores para reajustes contratuais de aluguel. Nos últimos 12 meses, o IGP-M acumula 6,92% de alta e no ano esta taxa apresenta um desempenho 5,39%, o que volta a animar os investidores de imóveis.

Perspectiva Eleven sobre o IGP-M

Apesar do forte crescimento do indicador nos seis primeiros meses do ano, o que posso dizer a você é que a perspectiva da Eleven é de que haja um arrefecimento do índice no segundo semestre, equilibrando o indicador de inflação próximo a 5% ao fim de 2018. A partir de julho, é esperado que os números que influenciam o IGP-M tenham leve queda, gerando manutenção dos preços e do índice.

A decisão do Copom e o mercado imobiliário

Como você sabe, na última reunião, o Copom decidiu manter a taxa de juros em 6,5%. Com isso, os investimentos imobiliários se tornam ainda mais atraentes, devido aos bons retornos dos aluguéis, tanto no ambiente residencial quanto no corporativo.

O Relatório de Inflação do Banco Central detalha a evolução do cenário base de suas projeções condicionais para a inflação. Nele, alguns destaques chamam atenção: a revisão do PIB 2018 de 2,6% para 1,6%, sob a justificativa de desaceleração da atividade; a elevação da projeção de IPCA 2018 de 3,8% para 4,2%, com redução para 2019 de 4,3% para 3,7%, explicada pela depreciação cambial no curto prazo; e a manutenção de Selic em 6,5% por algum período.

Para o mercado imobiliário, digo para você o seguinte: os impactos dessas variáveis podem alterar a relação entre risco e retorno exigida pelo investidor, o que pode gerar maior volatilidade nos ativos tanto físicos quanto financeiros. Desta maneira, o foco deve ser em relação à qualidade dos imóveis e à força de contratos, pois estas características geram maior resiliência e segurança aos empreendimentos e rendimentos no longo prazo. Outro ponto que vale a pena destacar é que o mercado abriu uma janela de oportunidade interessante nos últimos meses com a recente queda das cotas já negociadas na B3.

CRIs

Ao longo do mês de junho, eu e o time da Eleven conversamos com diversos gestores de fundos imobiliários de recebíveis (CRI) para compreender a estratégia de investimento e analisar as características de cada gestão. O perfil dos ativos e os indexadores de remuneração também são fundamentais para compreender o risco e alinhamento de visão macroeconômica do gestor. Ao longo deste mês, apresentarei a vocês as recomendações- com a visão de toda a equipe – sobre os melhores fundos imobiliários de papel.

Entre (25/06 a 29/06), os destaques para os Fundos Imobiliários foram:

LATR – O fundo anunciou o recebimento da sexta parcela no valor de R$ 1.634.818,29 referente ao exercício da opção de venda do imóvel localizado no Rio de Janeiro. Com isso, a amortização no valor de R$ 13,17 será realizada hoje, no dia 29 de junho.

FPAB – O Fundo de Investimento Imobiliário Água Branca possui desde 2004 ação de cobrança contra a Ricci e Associados para receber os valores devidos da renda mensal mínima garantida através de contrato assinado em 1999. O processo envolvendo a Ricci tinha excelente perspectiva de êxito, porém a obtenção do valor integral pedido de cerca de R$ 33 milhões se mostrava complicada devido à alienação dos ativos da empresa para terceiros, restando a anulação de duas transações: Fazenda Cachoeira e um imóvel residencial. No dia 25, o fundo recebeu uma proposta no valor de R$ 7 milhões para composição amigável e encerramento do processo de anulação de venda do imóvel Fazenda Cachoeira. A proposta será levada à votação pelos cotistas do fundo e, caso aprovada, representará um valor de R$ 7,54/cota.

THRA: O fundo monoativo com participação no Thera Corporate informou que a Ceva Logistics efetuou o pagamento do aluguel referente ao mês de maio que havia vencido e impactou em cerca de 15% os dividendos distribuídos. O pagamento foi feito com as devidas correções e multa, assim a próxima distribuição será aproximadamente 49,2% superior à última realizada.

Você está gostando de Construindo seu Futuro? Envie sua crítica e sugestão para [email protected]. Lá o canal é sempre aberto!

Uma ótima semana a todos.

Um abraço,

Raul Grego

Tem interesse pelo mercado imobiliário e de FIIs? Então, você precisa conhecer o Riqueza em Construção! Com ele, você tem as melhores análises e recomendações de fundos imobiliários de diferentes setores. E ainda recebe informações como preço-alvo, relatórios com sugestão de alocação, perfil detalhado de cada fundo e muito mais!

Clique no logo abaixo para conhecer: