It’s the economy, stupid!

Mais um dia em que a Petrobras ações está nos destaques positivos do dia. Expectativas positivas para o preço do petróleo

Mais um dia em que a Petrobras ações está nos destaques positivos do dia. Expectativas positivas para o preço do petróleo com a divulgação de que estoques de gasolina estão abaixo do esperado e utilização de óleo em níveis altos nos EUA impulsionaram os papéis da companhia, que encerraram o dia cotados a R$ 15,16 PN e R$ 15,16 ON, em alta de 3,58% e 3,27%, respectivamente.

Outras ações que ajudaram a levar o índice Ibovespa para mais um fechamento positivo, desta vez de 1,37% aos 65.528 pontos, foram BVMF3 +3,64%, BBAS3 +3,63% e uma das próximas coberturas da Eleven a ser apresentada aos clientes Renda Variável e Carteira Eleven, SMLE3 +3,41%. Do lado negativo, o pregão de hoje guardou lugar especial para as companhias de papel e celulose, com Suzano e Fibria fechando em queda de 2,42% e 1,52% respectivamente.

Fora do índice mas recomendadas pela nossa equipe, destaque positivo para os papéis da Odontoprev (ODPV3), sólida pagadora de dividendos, que hoje registraram alta de 5,89%, QGEP3, integrante da Carteira Eleven, que subiu 3,04% e para as ações da Triunfo Participações, que seguem sua trajetória ascendente, cravando mais uma alta, desta vez de 4,44%. Lembrando que o relatório de TPIS3 está aberto para downloads gratuitos e pode ser acessado aqui.

Um dos papéis que têm o ceticismo da equipe de analistas da Eleven, SLED4 frustrou os investidores com mais um resultado muito abaixo do esperado e desabou 11,48%, após alta recorde registrada ontem. Ainda nesta semana, Giovana Scottini publicará sua leitura do tamanho dos desafios desta companhia centenária rumo à recuperação de resultados consistentes.

Curiosamente a operação realizada pela Polícia Federal no RJ, que conduziu coercitivamente o presidente da ALERJ, Jorge Picciani para depoimento, além de prender o presidente do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, e quatro conselheiros, parece nem ter feito diferença para o mercado. É a triste realidade de que temos consciência da forma como as relações entre o público e o individual foram subvertidas ao longo dos anos.

Ainda à espera do anúncio das medidas para suprir as necessidades de arrecadação do Governo Federal em 2017, o mercado parece efetivamente estar focado naquilo que efetivamente deveria fazer preço, a economia real. Logo tem mais um COPOM, e como apresentamos no Relatório Macro Brasil, nosso time precifica 100 bps de redução na Selic e mais um empurrão na atividade.

Ou seja, se James Carville fosse brasileiro, estaria certamente bradando: “é a economia, estúpido”!!! Que assim seja.