E fez-se a luz!

O alívio no custo do endividamento público e melhora no ambiente para investimentos podem definitivamente recolocar o país no caminho da recuperação.

“O alívio no custo do endividamento público e melhora no ambiente para investimentos podem definitivamente recolocar o país no caminho (ainda longo) da recuperação.” Desta forma terminamos o “Dia a Dia do Mercado” de ontem. Hoje parece que o mercado entendeu o recado dado pelo BC após a aceleração no ritmo dos cortes na taxa básica de juros ontem e foi às compras.

Ibovespa teve alta de +2,60%, voltando à casa dos 64.000 pontos. O dólar manteve sua tendência de queda das últimas semanas, caindo 0,54%. Após esse movimento a moeda americana, cotada a 3,17 R$/US$, já se encontra no menor patamar desde 09 de novembro do último ano.  O Ibovespa, por sua vez, passadas menos de duas semanas do ano já apresenta um desempenho de +6,4%.

O momento, sem otimismos ufanistas e com o stock-picking das melhores oportunidades em dia, é de investir no Brasil. A multiplicidade de companhias e setores analisadas pelo nosso time e levadas aos clientes Renda Variável permite a visão mais ampla das oportunidades e riscos.

Enxergamos um cenário que, independente da incerteza política que vem do planalto central, ou dos primeiros dias do novo governo nos EUA, deve apresentar taxa Selic em patamares significativamente menores. Os ajustes da Carteira Eleven visaram uma alocação que permita ao mesmo tempo capturar ganhos relevantes com essa nova realidade, sem correr riscos desnecessários, tão comuns em momentos de euforia.

No pregão em que quase todos os papéis subiram, pela não divulgação de nenhum dado macroeconômico negativo no dia, o grande destaque na Bolsa ficou por contas das empresas que de alguma forma estão ligadas ao crédito: a bond-proxy Cemig (+12,5%), seguida pelas empresas atreladas ao consumo BR Malls (+9,6%) e Lojas Americanas (+7,54%), que é um dos ativos mais delicados da Bolsa, com grande parte dos investidores desprezando os riscos inerentes às realidades da companhia. Fechando os destaques de alta, Localiza (+7,2%) e Eletropaulo (+8,2%). Nossa leitura sobre as companhias que tendem a ser beneficiadas com as quedas que vêm por aí na Selic foi passada à Exame.com por nosso Estrategista-Chefe, Adeodato Netto.

Compreendendo a relevância do setor de Malls e da oportundiade de aceleração dos papéis, mas a necessidade de diferenciar os ativos, nosso time, encabeçado pelo Bruno CArobrez (que já foi Gafisa e Iguatemi) e o Guilherme Vilazante (Ex-Merrill Lynch e Barclays), construíram uma visão muito objetiva do setor e da relação oportunidade x risco. Imperdível para o momento. A análise pode ser adquirida de forma avulsa, aqui. O TIMING É AGORA!

Na ponta negativa do Ibovespa, as maiores variações ficaram a cargo das ações ligadas ao dólar: Suzano (-1,66%), Embraer (-1,54%) e Fibria (-1,31%), estas duas últimas, com análises recém-atualizadas por nossa equipe de analistas.

Seguindo na linha da estratégia para vencer em 2017, a diversificação é uma forma muito interessante para maximizar resultados, mitigando riscos. Por conta disso e da preocupação da nossa equipe com o equilíbrio dos seus investimentos, fomos buscar um Fundo Multimercado de uma gestora sólida, independente e que tem equipe e histórico para garantir o primeiro lugar nas nossas recomendações. Clientes Carteira e Renda Variável acessa. Ainda não é cliente e quer conhecer o fundo que em nossa leitura consegue combinar o melhor dos mercados da América Latina combinados? Conheça aqui!

É isso aí… amanhã uma sexta intensa e de reflexão… o mercado será forçado a entender ativos separados. Clientes Eleven são levados a pensar assim sempre. Para terminar, deixamos hoje a lembrança do nosso call de Springs Global. Deixamos claro aos clientes que o gatilho era a queda dos juros. Hoje os papéis SGPS3 subiram 17%. Vai perder mais destas?

Esperamos a todos na base! Uma ótima noite a todos!