FGTS pode mesmo resolver o problema das incorporadoras? E os seus investimentos com isso?

FGTS pode mesmo resolver o problema das incorporadoras? Como elas lidam com o saldo do FGTS. Confira isto e muito mais no post de hoje.
Uma excelente notícia para o setor nesta quinta feira, o CMN autorizou até o final deste ano a elevação do teto do valor de imóveis para contratação de financiamento pelo SFH de R$950 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal e de R$800 mil nas demais regiões do país para R$1,5 milhão. Apesar do caráter temporário da medida, ela terá efeito tectônico sobre  o poder de comprar dos mutuários, sobre a geração de caixa e sobre a rentabilidade das incorporadoras em 2017.
  • A dificuldade de acumular a parcela de entrada (mínimo 30% do valor do imóvel) tem sido a principal barreira ao poder de compra dos mutuários para o financiamento de imóveis. Com a nova medida, o mutuário poderá utilizar o saldo do FGTS para pagar essa entrada, o que adiciona milhões de famílias, ávidas por um imóvel próprio, ao mercado alvo das incorporadoras.
  • Redução dos estoques e fim do distratos = Caixa + Lucro: Em 2015 e 2016 a rentabilidade e a geração de caixa das incorporadoras foi intensamente prejudicada pelo cancelamento de vendas (feitas ao longo últimos cinco anos) na hora da conclusão do negócio. Já esperávamos que a pressão dos distratos se atenuasse ao longo do ano à medida em que o volume de entrega de unidades se reduzisse.
  • Com esse forte incentivo, além da redução dos distratos, a velocidade de monetização dos estoques elevados  (30% a 40% acima do normal) deverá se acelerar com fortes efeitos sobre a rentabilidade e sobre as expectativas.
  • Melhora não está precificada: O valuation das empresas de média renda não está precificando nem de perto essa melhora, com o P/BV médio de 0,5x, o preço dos papéis estava embutindo um ceticismo no turnaround do setor que passa a fazer pouco sentido depois desse anúncio.
Prontas para a retomada
Além dos efeitos potencialmente revigorantes desse incentivo, vale lembrar que as empresas que atuam no segmento de renda média e alta estão com o banco de terrenos repleto de projetos, postergados desde de 2014 com a piora do mercado, e que poderão ser retomados com baixo comprometimento adicional de capital.
Nós gostamos de empresas de média/alta renda, desalavancadas e com banco de terrenos para surfar todo o ciclo de recuperação (EVEN, CYRE e EZTC). Entretanto, na sequência do anúncio, as empresas mais alavancadas (e mais descontadas) como Gafisa e Tecnisa serão mais beneficiadas.
As análise das principais companhias do setor você encontra nos produtos Renda Variável e Carteira Eleven, já a melhor estratégia para investir em imóveis sem a necessidade de comprar o seu, nosso time de Fundos Imobiliários leva até você. Confira!