Ibovespa nas costas da Petrobras

Ibovespa subindo 0,9%, alcançando os 63.521 pontos e com quase 13,5% do volume negociado concentrado entre as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras.

Há quanto tempo não víamos isso. Ibovespa subindo 0,91%, alcançando os 63.521 pontos e com quase 13,5% do volume negociado concentrado entre as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras, com altas de 3,58% nos papéis ON e 5,08% nos PN, o preferido dos “gringos”. Mais do que os R$ 17 bilhões em lucro operacional acumulado em 2016, contrastado ao prejuízo de R$ 12 bilhões registrado em 2015, a forte geração de caixa trouxe o indicador Dívida Líquida / Ebitda, dos anteriores 5,11 x para 3,54 x.

A dívida que parecia impagável e o futuro da companhia absolutamente comprometido com as diversas quadrilhas que por lá se instalaram, mostra sólidos sinais de reversão nos fundamentos. Nada como o profissionalismo e a gestão alinhada com os interesses do acionista. Ainda é cedo para dizer qual o tamanho da velocidade de recuperação daqui em diante, considerando que os principais desinvestimentos, principalmente a BR Distribuidora ainda dependem de uma convergência de fatores externos. Mas certamente é uma ótima notícia para todos. Sim, a relevância da Petrobras para a economia e a Bolsa nunca pôde ser descartada, inclusive muitas vezes tendo sua derrocada diretamente relacionada ao desastre recente do PIB.

A Gerdau Metalurgica, GOAU4, objeto da nova análise de Gerdau que inclui o racional de preço par ao desconto de Holding na visão de nossos analistas, valorizou 3,64% em dia de Fato Relevante sobre a OPA sobre GGBR3. Na ponta negativa, destaque para os papéis CMIG4, que caíram 2,09% após a perda de uma das batalhas judiciais que recentemente haviam ajudado a impulsionar os papéis.

No mercado de câmbio, parece que o dólar não consegue voltar acima dos R$ 3,10, com a combinação de incertezas sobre os EUA e a relação ainda relativamente equilibrada de oferta e demanda com o Real. Olhando para os juros, os DI’s 21 e 23 subiram 7 bps, mas ainda abaixo dos 10,00% para o vencimento em 2021 e pouco acima para 2023, mostrando que o stress registrado ontem não está espelhando a expectativa de fundamentos.

O Relatório Macro Brasil 2017 do mês de março traz todas as projeções da equipe Eleven Financial para inflação, taxa de juros, dólar e PIB, este último com perspectiva positiva e visão de crescimento de 1,5% no ano. Vale a pena conferir e entender cada uma das variáveis.

Amanhã no TV Eleven, sempre às 19:30hs, Adeodato Netto vai dar a visão de nosso time de para onde deve seguir a Bolsa, após a grande volatilidade dos últimos dias e as discussões sobre “trade war” entre EUA e China, além das negociações sobre a reforma da previdência.