Não é o Armageddon Chinês!

Feliz Ano Novo! Circuit Breaker na China. Bolsas derretendo mundo afora. Por que não fiz Medicina? Este é o sentimento que fica após o dia de hoje.

Feliz Ano Novo! Circuit Breaker na China. Bolsas derretendo mundo afora.

Por que não fiz Medicina?

Curiosamente o dia 04 de Janeiro traz algumas péssimas lembranças em minha vida. Em 1989 perdi uma das pessoas que mais amei na vida. Em 1994 sofri um acidente que me obrigou a virar um expert em muletas após 11 meses engessado. Nos dois episódios, a dor passou e a vida seguiu.

2016 nos brindou com o pior pregão da história das aberturas de ano na China. Por uma triste coincidência de fuso, isso foi suficiente para derreter as bolsas do mudo todo.

Dow Jones Industrial -1,58%. DAX de Frankfurt -4,28%. Nasdaq -2,08%. Ibovespa -2,79%.

Alguém gritou “fogo” tão alto que sem pensar, investidores e operadores (mais os últimos que os primeiros) trataram de correr escada abaixo tentando salvar a própria pele em um movimento de escape que somente tinha a opção de venda, afinal, era o fim dos tempos!

Se olharmos para os últimos 12 meses, veremos o seguinte comportamento nos principais mercados globais.

05/01/15 05/06/15 04/01/16
SHANGAI COMPOSTO 100 149,92 98,38
SHENZEN COMPOSTO 100 212,40 147,48
IBOVESPA 100 111,48 88,69
DJI 100 102,75 98,72
NASDAQ 100 108,94 105,40
DAX FRANKFURT 100 118,20 108,55

Em base 100, o índice Shenzen Composto segue 47,48% acima do fechamento de 05/01/2015, tendo alcançado valorização de 112,40% na metade do ano que passou. A pressão vendedora que vem assombrando as manchetes de segunda e terça na China e por consequência no mundo, é muito mais resultado dos ajustes dos acertos de ativos de final de ano e da especulação do que repercussão de qualquer indicador de PMI ou variação sobre o mesmo tema.

Em relação ao endividamento interno chinês… o Japão tem 230% do PIB em dívida interna. Sem o mercado ou a indústria chinesa. E segue girando. Há muito mais além disso!

Shangai está quase estável em 12 meses, assim como o Dow Jones Industrial. Nasdaq com valorização de 5,4% em uma economia com 0,25% de juro base. Frankfurt encarando o Grexit, refugiados e tudo mais entregou 8,55% no período. Está tudo assim tão feio?

Foram 7 minutos de terror e vendas irracionais, conforme muito bem apontado pela Bloomberg Business. Neste espaço de tempo, todos descem as escadas aos berros, desesperados certamente sem nem prestar atenção se o seu prédio está em chamas ou é mais um exercício de evacuação da CIPA (Comissão Interna de Prevenção a Acidentes) com os bombeiros.

Lembrem que a grande maioria destes que correm desesperados, apertam botões e enviam comandos com o dinheiro alheio. O máximo que têm em risco, na grande maioria, é o bônus de final de ano. Infelizmente a quantidade de dinheiro envolvida é tão colossal que o eco nos mercados globais é inevitável.

A globalização transformou as Bolsas do mundo todo em vizinhos do hospício.

Os desequilíbrios chineses e a desaceleração (não retração) são notícias velhas. A volatilidade é o paraíso dos especuladores. Gente com fortunas (de terceiros) apostadas nas duas pontas. Não há ressaca de réveillon que cause o estrago de hoje (ontem).

Alguns hoje alardeavam que a abertura dos mercados define a tendência das Bolsas no ano. Assim, seria hora do “bear market“. O Urso chegou para tomar o lugar do Touro???

Na tabela acima, observamos que o próprio Ibovespa, tão combatido pela performance pífia negativa em 2015, na metade do ano acumulava ganho de 11,48%. Que tendência é essa que o primeiro dia do ano determina?

Enquanto escrevo esta análise, já passa da meia noite no fuso horário chamado EST, ou referência da Costa Leste dos EUA. Olhando para meu terminal vejo Shangai subindo 0,25% e Shenzen caindo 0,70%. Mas já subiram e desceram, e o pregão segue. Teoricamente o alarme de incêndio parou de tocar. Ainda que alguns sigam berrando, a turma dos que pensam começa a ter volume. Mas… vai saber…

Os profetas do apocalipse ganharam mais uns dias para pensar. Em alguns pregões encerra-se a proibição da CSRC (autoridade regulatória chinesa) das vendas massivas dos detentores de mais de 5% de ações em cada companhia. Lá vem mais um selloff. Apertem os cintos. Ou só acendam mais um cigarro e assistam.

Alguém pára e pensa que tanta venda necessariamente demanda a mesma quantidade de compra? Neste caso a ordem dos fatores altera o produto. Mas é só mais uma peculiaridade dos mercados.

Não há o que fazer nem estratégia para mudar. Não compre dólar. Não venda seus papéis. Não é hora de fazer nada. Nem levante da mesa. Não há incêndio. Quanto menos Armageddon.

Nosso papel é ser técnico e prático. Nada mudou no mundo de 30/12 até hoje. Fora o rompimento da Arábia Saudita com o Irã, que é realmente sério. Mas vocês realmente acham que a China está precificando isso?

O sol sempre se põe para nascer novamente.

Ainda bem! Até amanhã, com certeza.