Juros compostos: O maior risco do devedor é o paraíso do investidor!

juros compostos : O maior risco do devedor é o paraíso do investidor!

“Os juros compostos são a oitava maravilha do mundo. ” – Albert Einstein.

A crise no planalto que tratamos na coluna da semana passada continua, e com ela as incertezas se espalharam por todas as esferas. Certamente você já leu em outros espaços sobre o que fazer no próximo dia ou na semana que vem diante do quadro atual. Alguns textos irão te ajudar, mas preste atenção: a maioria gera mais ruído com fatos confusos do que apresenta realmente uma direção exata do que fazer. Vamos falar hoje do que fazer para os próximos anos.

Crises vão acontecer de tempos em tempos, principalmente em um país que ainda amadurece institucionalmente. Noticiários de jornais estarão sempre à procura do próximo fim do mundo ou de anunciar que agora o País vai deslanchar se tornar a nova potência mundial. Sempre foi assim e, provavelmente, assim continuará. Portanto acostume-se e encare as oscilações da bolsa como um movimento natural (ou então evite de olhar o home broker).

O mais importante, porém, é traçar uma estratégia de longo prazo e não desviar 180 graus a cada bomba do Planalto, dos EUA, Grécia ou de qualquer outro lugar. Ao fazer isso você simplesmente irá perder o grande diferencial dos investimentos: os juros compostos e a progressão geométrica.  O gráfico a seguir ilustra bem o conteúdo:

Juros sobre juros funcionam como uma função exponencial. No início os valores crescem lentamente. Depois de um tempo, como uma bola de neve morro abaixo, o lucro gerado por boas empresas é reinvestido na compra de novas ações, ajudando na geração de ganhos cada vez maiores e crescentes. Percebeu como neste jogo a disciplina e a paciência tem um papel tão importante?

O seu trabalho na bolsa é traçar uma estratégia de formação de patrimônio de longo prazo, e seguir por ela com disciplina. Nos últimos dias foi bastante comum ler a expressão “incerteza institucional”, além das palavras risco, pânico, etc. O trabalho do “mercado” é te tirar da rota traçada, seja nos extremos de medo ou de euforia. É muito importante monitorar os fundamentos dos investimentos, e sempre que qualquer empresa perder definitivamente seu poder de gerar lucros, troque a posição.

Por outro lado, ficar trocando ativos a cada manchete, no susto, fatalmente te manterá passeando entre as primeiras colunas do gráfico. Sem medo de me tornar repetitivo: volatilidade não é risco. Tenha em carteira ações de boas empresas, geradoras de lucros consistentes, e surfe com a progressão geométrica e os juros compostos até as últimas colunas do gráfico.

Fecho este texto com uma menção à amiga e investidora Heloisa Neves Cruz, que assim expressou sua satisfação com a performance de seus investimentos em sua conta do twitter (@helocruz):

Só uma coisa a declarar: eu amo a progressão geométrica e os juros compostos!!

Ótimo domingo a todos!