Palavra do Rafi – Descubra a venda a descoberto

Bolsa de Valores: é possível vender alguma coisa que você não tenha? Sim.

Eu comecei a operar na Bolsa de Valores em 2002. Desde então, a inovação tecnológica trouxe muito mais segurança para nossos investimentos. Hoje, não é mais necessário pegar um telefone para mandar uma ordem de compra ou de venda. As facilidades no quesito execução de ordem e cotação de mercado trouxeram ainda mais dinamismo e adaptabilidade.
A tecnologia veio a serviço do investidor. Em frações de segundos, na palma da sua mão, você já consegue saber de todo o noticiário de mercado, verifica as cotações das ações e pode executar suas ordens. Esses mecanismos levaram as pessoas ao conhecimento de novas plataformas, homebrokers e sistemas automatizados. Entretanto, o tempo vai passando e os investidores se tornam cada vez mais exigentes na sua tomada de decisão.

Qual será a próxima tecnologia da vez? O que deveríamos estudar para não ficarmos obsoletos no conhecimento? Eu te respondo: a venda a descoberto.

Sete em cada dez investidores pessoa física com mais de um ano de prática em Bolsa de Valores não sabem ou nunca fizeram uma venda a descoberto, também chamada de venda descoberta.
Se trata de uma operação em que o investidor ou trader pode apostar e se beneficiar, isto é, ganhar dinheiro, quando o mercado cai. Pode até soar estranho imaginar que podemos ganhar dinheiro quando a Bolsa está em baixa, perdendo valor e até mesmo destruindo riqueza.

Mas acredite, entender o processo e toda a dinâmica da venda a descoberto pode trazer benefícios e oportunidades de modo a colocá-lo um passo à frente da média do mercado.

O gráfico acima mostra a performance do Ibovespa (azul) contra volume total de ações alugadas do Ibov (vermelho). Esse volume representa o nível de venda a descoberto do mercado, já que, para que você possa “ficar vendido” na Bolsa, é preciso tomar um aluguel de ações.

Veja que essa relação é inversa. Quanto maior for o volume de ações alugadas, maior é o poder de fogo dos investidores ou traders para investirem apostando na queda.

Por isso, temos uma relação inversa entre o volume total alugado e o Ibovespa.

Operar vendido pode apresentar grandes riscos. Quando você compra uma ação, o seu risco total é o ativo cair para zero, porém, quando você aposta na queda e vende uma ação a descoberto, o seu risco é infinito. Por isso, esse tipo de modalidade exige expertise, muito controle de risco e equilíbrio emocional.

Bolsa de Valores sobe de escada e desce de elevador

A velha máxima de que “quanto maior o risco, maior o retorno” também vale para esta modalidade de operação. Digo isso porque o mercado costuma ter reações muito mais fortes quando cai do que quando sobe. O medo é sempre muito maior que a ganância.

O despreparo emocional pode ocasionar perdas desastrosas quando o mercado entra em pânico e cai muito forte. É aí que a operação de venda descoberta mais se beneficia. Muitas das vezes com ganhos mais rápidos se fosse uma operação na compra.

O número de pessoas que têm conhecimento desta operação é muito baixo. Culturalmente, os novos entrantes no mercado entendem que é possível ganhar dinheiro na Bolsa apenas na ponta compradora. De fato, não é.

Transmissão ao vivo Especial – segunda-feira (15) às 21h

Gostaria de ter a chance de te ensinar absolutamente tudo sobre as operações de venda a descoberto. Como operar vendido e o que devemos estudar para se beneficiar de um mercado em queda, seja no intraday ou durante um longo período.

Na próxima segunda-feira, às 21h, farei o curso gratuito e online “Descubra a Venda a Descoberto”, que você pode participar se inscrevendo aqui.

Te aguardo! Até segunda!

Abraços!