Petróleo na ladeira, Ibovespa foi na esteira

Com a divulgação dos dados de estoque de gasolina nos EUA mostrando a primeira alta em 9 semanas, o preço barril petróleo demonstrou de fragilidade.

Se tinha gente que pensava que a condição do petróleo estava “dada” com a tensão no Oriente Médio e o consequente impacto negativo potencial na oferta global, hoje foi uma prova de que a coisa não é tão clara. Com a divulgação dos dados de estoque de gasolina nos EUA mostrando a primeira alta em 9 semanas, o preço barril petróleo deu uma demonstração de fragilidade, despencando mais de 4% em questão de minutos.

Somem o desgosto com a commodity com o adiamento da votação do relatório sobre a reforma da previdência para o dia 02 de maio, dêem uma pitada de incerteza por conta da eleição francesa e o resultado é uma correria de investidores para “longe do risco”. Moedas emergentes tem dia de queda frente ao dólar. Aqui no Brasil, a moeda americana subiu 1% no mercado à vista, fechando cotada a R$ 3,13 e 1,28% no futuro, fechando acima dos R$ 3,15.

As chamadas curvas de juros mostraram tensão com a movimentação política, com o vencimento Janeiro/2021 chegando a subir 6 pontos, encerrando o dia a 9,93%. Os investidores posicionados em NTN-B’s mais longas viram o stress precificar negativamente com alguma clareza esta variação. Nosso time de Renda Fixa segue apresentando as mais diversas estratégias de aproveitamento e defesa da nova realidade dos juros, bem como a determinação de tendências a partir da realidade que projetamos e levamos aos clientes em nosso Relatório Macro Brasil 2017 de Abril.

Em dia de pouco mais de R$ 5,5 bilhões em volume negociado na Bolsa, o quadro de “aversão a risco” espantou investidores dos papéis financeiros, com o setor sofrendo de forma generalizada. BBAS3 -3,65%, BBDC4 -1% e ITUB4 -0,88%. As notícias sobre o petróleo derrubaram as ações da Petrobras -2,84% (ON) e -3,55% (PN). Ainda no setor, QGEP3 caiu 5% e PRIO3 1,57%.

Pouca coisa merecendo destaque positivo, mas o papel de defesa da Carteira Eleven em momentos de stress foi mais uma vez demonstrado. SAPR4 teve mais um dia de alta, registrando +0,84%, MOVI3 +0,34% e ANIM3, que chegou a subir 5% em determinado momento do pregão, encerrou o dia em +1,92%. Odontoprev (ODPV3), player de defesa e muito sólida da nossa Carteira de Dividendos, subiu 1,87%.

Também dentre as companhias cobertas pela Eleven, destaque para MGLU3, que voltou a superar os R$ 205,00, em alta de 4,63% hoje e Valid (VLID3), que voltou a respirar bem, registrando valorização de 1,58% em dia bastante volátil.

Dentre os papéis ligados ao Minério, os sinais de recuperação, que estavam fortes na parte inicial do pregão, foram perdendo intensidade ao longo do dia, com VALE5 devolvendo a alta das primeiras horas e fechando em leve queda de 0,12%. Hoje no Valor Economico, Adeodato Netto falou sobre a companhia e sua transformação recente, bem como as perspectivas para a sequencia do ano e as ações. Gerdau teve comportamento distinto entre as ações GGBR4 e GOAU4, com a primeira caindo 0,75% e a segunda subindo 0,24%. Em “Expecting America Great Again”nossa equipe apresenta nossa visão para os papéis da companhia.

Com o aquecimento das discussões sobre a Reforma da Previdência, nosso estrategista publicou um artigo especial com o título “Mais do que uma Reforma da Previdência, precisamos de uma Reforma de Consciência”.

Para amanhã esperamos sequencia de volatilidade com a chamada “sexta-feira sintética”, véspera de feriado e último dia de negociações antes das eleições francesas. Estaremos de olho!

Au revoir!