Semana que vai, semana que vem. Tic-tac, tic, tac…

Publicamos a Análise da performance de Março da Carteira Eleven e a alocação sugerida de Abril. Leia mais a respeito no post de hoje.

Alta de 3,67%, acima dos 50.000 pontos novamente. Assim o Ibovespa terminou uma semana em que preferiu fazer de conta (mais uma vez) que o impeachment já ocorreu e com ele todos os problemas do Brasil foram resolvidos. Veja a análise de performance.

Começamos a segunda com nosso time Elevenconomics fazendo a leitura do FOCUS e apresentando nossa visão para Selic e IPCA ao final de 2016. Do lado do mercado, “Mulher de Cesar não perdoa” abordou a pressão negativa dos investidores ao risco de Lula realmente assumir o Ministério e seguir com seus planos de expansão e intervenção, dando inclusive ordens de baixar o preço da Gasolina. Como se a Petrobras precisasse de mais algum problema! Neste mesmo dia, a bomba que atingiu o mundo chamada Panama Papers, mostrou que sonegação fiscal via offshores, no Brasil da LavaJato, parece brincadeira de criança. Tipo Banco Imobiliário mesmo, já que envolve tanta patrimonial.

Na terça-feira, Tuesday Caplet nos contou como Voltaire influenciou a Independência dos EUA. “Um Rei contra o Laissez-faire” traçou um preocupante paralelo com a situação política brasileira atual. No mesmo dia sugerimos uma eleição geral. Cada um deveria escolher seu Malvado Favorito. Marco Aurelio Melo, Eduardo Cunha, Luis Inacio, Teori Zavascki, Renan Calheiros e até o azarão Aldemir Bendine estavam na disputa.

Na quarta-feira o xadrez do planalto, agora praticado no Golden Tulip, parecia começar a reajustar as peças no tabuleiro. Em “O BC de cada um” mostramos quão alienado o próprio mercado está com o Banco Central e os fundamentos da economia. Nada nem ninguém faz mais diferença do que a guerra da política no processo de impeachment.

Ainda no dia 06/04, nosso time de Renda-Fixa estreou o call diário de Mercado, falando de juros futuros, moedas, juro real e inflação implícita (NTN-B’s). Agora nossos assinantes deste produto terão todos os dias a atualização de posição para suas operações. Trouxemos também uma leitura da “Indústria de fundos e os estoques de ativos“.

Quinta-Feira trouxe um round que seria cômico, não fosse a trágica consequência de tal batalha. Nelson Barbosa e Alexandre Tombini duelaram de maneira velada em importante evento sobre a economia nacional. Ministro da Fazenda do País das Maravilhas em sua retórica desenvolvimentista, aquela versão vale a pena ver de novo da Nova Matriz Econômica, jogou no colo do Congresso a sequencia das chamadas “reformas”. Do outro lado, Tombini quase suplicou pelo término da bárbara irresponsabilidade fiscal. “Em briga de Ministro e Presidente do BC, ninguém mete o ajuste fiscal” resumiu o caos aos nossos assinantes.

Sexta-Feira de multi-produções da nossa equipe. Publicamos a Análise da performance de Março da Carteira Eleven e a alocação sugerida de Abril. Investidores que nos acompanham e migraram parte dos seus ativos daqueles tradicionais produtos de prateleira de renda-fixa para a Carteira seguem com consistentes resultados, 2,59% em março para sermos mais precisos.

Nosso time de Renda-Fixa trouxe uma assustadora Análise do Mercado de Debêntures. Este é só o primeiro capítulo de uma série que promete mostrar a realidade do mercado de crédito privado nacional.

A turma do Elevenconomics trouxe a já habitual “Semana da Economia” e também uma análise do IPCA, cruzando com seu potencial impacto na gestão da política monetária.

O placar do Brasil” analisou a polarização entre os chamados azuis e vermelhos e como todos os olhares seguem voltados para a apuração preliminar dos votos potenciais contra ou a favor do impeachment no plenário da Câmara.

Enquanto nosso time trabalhava incessantemente na sexta, os investidores resolveram apertar o botão verde, dando ao Ibovespa um empurrão completamente desmedido. Cada um na sua, gigantes fizeram rios de dinheiro, aproveitando-se da sequencia de pregões nervosos dos outros dias.

Para fechar a semana, ao final da sexta-feira, a BM&FBovespa anunciou a compra da CETIP, criando uma companhia de R$ 40 bilhões. Antes de esvaziar a primeira Champagne da comemoração, a ATS Brasil solicitou ao CADE que investigue práticas anticompetitivas da Bolsa, visando manter seu monopólio. Já tratamos este tema aqui algumas vezes e, nesta segunda-feira, traremos uma visão do estágio da potencial transação abordando inclusive os movimentos dos papéis em vésperas ou dias de anúncio.

A semana começa mais uma vez com todos os holofotes voltados para Brasilia. Os últimos dias da Comissão do Impeachment e a possibilidade da votação em plenário acontecer no próximo domingo vão seguir agitando os mercado de ações, câmbio e juros.

Do lado da Bolsa, as barreiras da euforia pró-impeachment serão testadas com tudo começando já acima dos 50.000 pontos. Câmbio promete alguma volatilidade com uma sequencia de ajustes na agenda do próprio BC que não vem conseguindo seguir à risca suas estratégias de oferta de contratos de swap (nas duas pontas), uma vez que o mercado segue fazendo cabo de guerra apoiado na temperatura das discussões políticas.

Em algum momento desta semana que chega, o senso de realismo e/ou racionalismo deverá aparecer na precificação dos ativos e mercados.

De nossa parte, traremos todos os dias os relatórios de juros, moedas e inflação. Análises da performance do mercado e da política, guiando nossos assinantes através da tempestade.

Na quinta-feira, um Canal Aberto especial, voltando às transmissões ao vivo e interações com os assinantes, pré-votação do impedimento da Presidente.

Confiram!

Boa semana a todos!