Sunday Prates: A equação do sucesso nos investimentos

A volatilidade mede o grau em que o preço da ação variou, para cima e para baixo ao longo de um período arbitrariamente definido.

Michael Mauboussin, estrategista de ações do Credit Suisse, diz em seu livro “A equação do sucesso”: “Há uma maneira rápida e fácil de testar se uma atividade envolve habilidade: pergunte-se se você consegue perder de propósito. Em jogos de habilidade, é claro que você pode perder intencionalmente, mas ao jogar numa roleta ou na loteria, não”.

A verdade é que atividades que dependem exclusivamente da habilidade ou da sorte são muito raras no mundo real. Em sua maioria, o resultado final do que fazemos na vida deriva da combinação entre ambos. O sucesso nos investimentos definitivamente não é exceção. No exemplo citado no livro de Mauboussin, cada esporte tem uma mistura diferente de habilidade e sorte, como podemos notar que na imagem abaixo. Para ele, investir está bem mais perto da sorte do que habilidade.

Um dos vieses do investidor é a tendência de assumir que sucesso e fracasso são determinados somente​​pela habilidade. Esse pensamento é profundamente equivocado e leva a conclusões maléficas.

Saber o que você tem controle e o que depende de fatores aleatórios é essencial para uma boa tomada de decisão. Os melhores investidores são humildes e reconhecem que não têm certeza de quase nada. Assim, criam importante mecanismo de defesa ao focar nas reais probabilidades dos eventos a sua frente.

“As pessoas tendem a pensar que meu sucesso, ou o que quer que você queira chamá-lo, tem sido porque sou um tomador de decisão muito bom. Eu acho que é realmente porque estou menos confiante em tomar decisões. Então, em outras palavras, eu nunca sei nada realmente. Tudo é uma probabilidade.” Ray Dalio

O problema do sucesso inicial é que você raramente consegue manter o que não merece. Se o investidor não tem uma compreensão de como e por que obteve determinado resultado, será difícil mantê-lo e muito menos duplicá-lo. No fundo nós sabemos que não é o que fazemos aleatoriamente que produzirá retornos a longo prazo, mas o que fazemos consistentemente.

Ler livros e aprender com a experiências de outras pessoas certamente ajuda, mas eles não são substitutos para fazer suas próprias experiências. Uma parcela muito relevante para que investidor seja bem sucedido está em conseguir controlar as emoções nos momentos de stress. Um investidor deve experimentar os altos e baixos do mercado várias vezes até começar a moldar a sua filosofia de investimento.

Pare e reconheça quanto a sorte tem a ver com seu sucesso

Diversos investidores inteligentes e dedicados admitem um papel importante da sorte em suas jornadas. Como exemplo, Warren Buffett, que diz ter ganho na loteria ao ter nascido no país certo na década certa. Outro grande investidor, Fred Wilson, escreveu certa vez que não sugere que qualquer um siga seus passos profissionais: “Não vai funcionar, a menos que você tenha muita sorte”.

Muitos mantém-se céticos ou resistentes à oferecer qualquer crédito a esse tipo de sorte por entender que isso desvalorizaria o talento ou trabalho duro. Mas aqui está o enigma: Se a má sorte existe e não é culpa sua, a boa sorte também não tem nada a ver com seus esforços ou ações. E isso é natural.

Não devemos confiar na sorte, mas ignorar sua relevância é um erro. Por outro lado, o investidor pode ter papel importante em duas frentes:

(1)  No momento em que escolhe consistentemente ativos com retornos assimétricos, aqueles que em caso dos ventos positivos ele tem um potencial enorme a frente, e, em cenários onde a sorte for madrasta, oferece maior resiliência. Ações de ótimas empresas, como aquelas escolhidas por nossa equipe para, em conjunto, oferecer nosso melhor juízo de equilíbrio entre risco e retorno, quando precificadas pelo Mr. Market apenas como empresas regulares, são um bom exemplo.

(2)  Ao ter uma carteira diversificada, o investidor pode se dar ao luxo de ter algumas perdas em determinadas ações, as quais ele obviamente não pôde prever ex-ante, e ainda estar no jogo para obter os tais ganhos assimétricos das ações que performaram bem.

(3)  Não dependa dos outputs de curto prazo. Quanto menor for seu horizonte de investimento, mais sua carteira estará exposta aos sabores da deusa da aleatoriedade. Para fugir dessa armadilha, investir o dinheiro que não será necessário no próximo mês, te dará grande vantagem para tomar proveito das oscilações comuns no mercado de renda variável.

(4)  Ao invés de tentar controlar suas emoções, experimente se afastar por uns dias do home broker. Garanto que é uma experiência libertadora. E no fim das contas você irá perceber que se poupou de muitos “frios na barriga” desnecessários, principalmente em períodos de descontrole dos mercados. Essa atitude pode evitar com que você se considere um gênio nos bull markets e tomar riscos excessivos, ou botar muito peso nas suas costas nos bear markets e sair do jogo justo quando a bolsa está mais barata.

Reconhecer o papel que a sorte, ou aleatoriedade se preferir, desempenha em nossas vidas, não tem qualquer demérito. Nos permite avançar com mais de humildade e menos ego. Isso é um grande passo para o sucesso no investimento a longo prazo.

Conte conosco, hoje… e no futuro! Boa sorte!