Tesouro direto: afinal, o que é e porque investir?

Provavelmente você já ouviu que o Tesouro Direto é a aplicação do momento. Venha aprender mais sobre este tipo de investimento.

Provavelmente você já ouviu que o Tesouro Direto é a aplicação do momento. De fato, nenhuma outra oferece possibilidades tão amplas quanto ele, podendo ser usado para investimento de curto, médio e longo prazo, sempre com rendimentos interessantes.

Isso se justifica, primeiramente na maneira como se dá a rentabilidade no Tesouro, ou seja, sob juros compostos. Diferentemente do que acontece com a Poupança, que rende sob juros simples, no Tesouro o seu dinheiro vai evoluindo dia após dia, sempre em função do resultado apresentado na data anterior.

É uma opção segura e altamente rentável de investimento. Quer saber mais sobre ela e como, de fato, começar a aplicar? Então acompanhe o texto.

O que é o Tesouro Direto

É um programa desenvolvido pelo Tesouro Nacional, que oferece a qualquer pessoa, oportunidades de ganhos que antes contemplavam apenas os grandes investidores. Nele, você pode comprar títulos públicos federais enquanto pessoa física, usando somente a internet. Para participar, você precisará abrir conta em uma corretora. No site da B3 é possível verificar a lista de corretoras credenciadas.

A grande ideia por trás do Tesouro Direto é justamente a democratização do acesso aos títulos públicos, permitindo aplicações com valores mínimos, abaixo dos R$100,00. Até 2002, ano da criação do programa, era possível investir em títulos públicos como pessoa física apenas de maneira indireta e com valores elevados.

O Tesouro Direto e os juros compostos

Como destacado anteriormente, um aspecto fundamental referente ao Tesouro Direto é a rentabilidade sob juros compostos. Em termos de investimentos, esse cálculo dos juros sobre os juros anteriores, faz com que seu dinheiro evolua com o passar do tempo de modo a dar origem ao efeito conhecido como “bola de neve”.

Esse efeito, quando atua contra você, pode tornar a sua dívida impagável, como quando você entra no cheque especial do banco, por exemplo. É nesse ponto que o Tesouro Direto aparece como um diferencial para o pequeno investidor: ele permite que você use esse recurso ao seu favor.

Para entender melhor: imagine que, em vez de dever para o banco, agora é o governo quem deve para você e a cada dia essa dívida aumenta e a bola de neve passa a ser a quantidade de dinheiro que você ganha.

Vantagens do Tesouro Direto

Quanto à rentabilidade, o Tesouro oferece a possibilidade de investimentos com custos baixos, e rentabilidade média acima da maioria das alternativas encontradas no mercado.

Nele, a alíquota do Imposto de Renda é regressiva, ou seja, ela diminui ao longo dos anos, o que faz com que, quanto mais tempo você deixe seu dinheiro aplicado, menos precise pagar.

Além disso, o Tesouro permite a você a possibilidade de fazer aplicações compatíveis com o seu perfil, independentemente de qual seja ele. Isso diz respeito ao tipo de título comprado, o prazo do investimento e ao volume aplicado.

As opções que o Tesouro oferece

Basicamente, são três possibilidades de investimento:

  • nos títulos prefixados, você compra um título e sabe exatamente quanto receberá na data de vencimento, independentemente da taxa de juros ou da inflação. Pensando em investimentos de médio prazo, dentro de 5 ou 8 anos, por exemplo, isso permite a você se planejar para tornar real a compra da casa própria ou a realização de uma viagem;
  • já no caso dos títulos indexados à inflação, eles servem para manter o seu poder de compra ao longo do tempo, independentemente da oscilação do valor da moeda no país, sendo adequada para investimentos de médio e longo prazo, como a aposentadoria;
  • existem também os títulos indexados à taxa Selic, nos quais a liquidez é diária e a rentabilidade se dá em função da variação da taxa básica da economia, a Selic, sendo ideal para o curto e médio prazos, permitindo a você criar a sua reserva de emergência.

Horários e preços

A parcela mínima de compra é de 0,1 título, sendo assim, se a unidade custar R$ 800,00 na data da compra, você precisará de R$ 80,00 para comprar a fração mínima. Você pode comprar quantas frações quiser e até mesmo comprar a mesma fração durante vários meses, até o vencimento do título.

O Tesouro dá ao investidor a opção de fazer quantas compras quiser sempre das 9h30 às 18h, além da opção de agendamento que pode ser feito a qualquer momento.

Todo o procedimento pode ser realizado via internet.

Como investir no Tesouro Direto

Para começar a comprar títulos, procure uma instituição financeira e realize o seu cadastro. Esse será o seu agente de custódia, que pode ser um banco ou uma corretora.

Avalie as taxas cobradas por cada uma delas antes de fazer seu cadastro. Existem opções gratuitas que certamente farão com que sua rentabilidade seja maior.

Após efetivar seu cadastro, você receberá uma senha que será associada ao seu CPF. Com essas informações você deve acessar a página de login do Tesouro Direto e entrar no sistema usando seu CPF e a senha.

Dependendo da instituição financeira, o site já estará integrado ao do Tesouro Direto, o que permite a você fazer a comercialização dos títulos no site dessa instituição na qual é cadastrado, sem precisar acessar a página do Tesouro.

Assim que estiver regularizado, você já pode conferir os títulos disponíveis e comprar aqueles que desejar.

Segurança e facilidade

O que garante a segurança do Tesouro Direto como investimento é que ele é garantido pelo Governo Federal, com regras simples de serem assimiladas e seguidas. Nele, estão aptos a comprar títulos públicos investidores que tenham um CPF e conta-corrente ou conta poupança em qualquer instituição financeira. Nada além disso.

Independentemente de questões políticas, é seguro confiar na garantia do governo. O motivo é que o risco de o governo não honrar seus compromissos é significativamente menor do que o de qualquer instituição privada.

Ficou interessado no Tesouro Direto? Então confira tudo o que você precisa saber sobre o assunto.