Tuesday Caplet em: a minha alegria atravessou o mar!

Recomendaria, com potencial multiplicador acima da média do mercado (morri de rir pela melhor razão do mundo), quais os melhores nichos para novos IPO's.

É inacreditável pessoal. Tirei uns dias de férias a aproveitei o convite de um parceiro de negócios para assistir pela primeira vez o Carnaval na Marquês de Sapucaí.

É só no Brasil mesmo! O carnaval é imbatível. O Rio de Janeiro (e Salvador é claro) é (são) a capital mundial da sacanagem (no bom sentido) por ao menos cinco dias.

Carnavalescos efetivamente trabalham. Dedicam-se, lutam e todos seus esforços são recompensados pelo desfile que embala uma das maiores festas do mundo. Pessoas “normais” cruzam a passarela do samba em fantasias alugadas e ficam maravilhadas com o espetáculo visto de dentro. Alegorias que custaram verdadeiras fortunas enfeitam a avenida, com alas e mais alas cercando, festejando, sambando e cantando.

Nos camarotes, as mais diversas celebridades: pilotos, jogadores de futebol, atores, atrizes, escritores, cantores, playboys, modelos e eu.

O Brasil é tão delicioso que o camarote é da DEVASSA (morri de rir). Confesso que fiquei meio perdido. Perguntei por lá se alguém me conhecia aqui do Blog (hã?) e o máximo que me disseram foi que uma mocinha que estava lá havia saído do Twitter, para a Globo, para a Sapucaí e de lá ia direto para os estúdios do JR Duran (o que será que queriam dizer?).

Por via das dúvidas, saí correndo. Até porque meu tipo físico não me inspirou muita confiança, o máximo que eu conseguiria era conhecer alguém do mercado financeiro mas que certamente estaria muito além de Bagdá àquelas alturas do campeonato.

Se eu contasse as “divas” que vi com a camiseta da Devassa… vocês nem acreditariam.

Lá pelas tantas fui chamado para ir a um tal camarote da ASR International. Morri de rir (de novo)! Havia umas 40 pessoas, com a pele rosada, típicos bretões espantados com a maravilha do carnaval do Rio. Fui apresentado ao Mr. Thomas Sefmayer (o “S” da ASR). Ele me disse que soube que eu era um inglês/escocês/americano de sangue brasileiro ou vice-versa e que era especialista em previsões sobre o mercado financeiro. Mais uma vez morri de rir (pela enésima vez).

Meus 555 anos certamente garantem que muito vi, tantas vezes vim (ou fui) e outras tantas, venci. Mas é só. Resultados passados não garantem performances futuras. Ele (o inglês) me perguntou sobre qual área eu entendia que deveria direcionar os investimentos de seu fundo de Private Equity. Perguntei o montante e se ele estava definido a investir 100% dele no Brasil.

Thomas me garantiu que vários gestores, com valores não inferiores a 10 dígitos cada, estarão direcionando seus esforços para o Brasil já em 2016. Ele me fez uma proposta para que fizesse o que chamou de “longlist” com empresas que eu recomendaria com potencial multiplicador acima da média do mercado (morri de rir pela melhor razão do mundo), e quais os melhores nichos para novos IPO’s.

Querem saber o que eu respondi? Quais as indicações? Quem sabe nos próximos dias eu conto. O fato é que muito dinheiro está vindo para cá!

Péssima notícia aos profetas do apocalipse. Aqueles que vivem de espalhar o medo para posicionar-se como salvadores do mundo. A Bolsa é cheia de Messias… ou Noés!

Quando, nesta semana, as ações de Itaú e Bradesco forem atingidas pelo pânico, comparando-os aos bancos europeus; sorriam. Aliás… gargalhem. Em uma terça-feira qualquer eu falo de quando fui convidado para integrar os idealizadores de um programa chamado Proer.

Como já falei várias vezes a vocês, escolhi o Brasil por convicção. E meus investimentos estão aqui. Quase todos. Minha aposentaria, dado o tempo de contribuição, está em um 401k que viaja entre Londres, Luxemburgo e Nova York.

Que momento mágico vive a Bolsa brasileira. Oportunidades que só me recordo de ter nos tempos de Radio Shack, que já contei a vocês. Quando cruzarem algum urso berrando, façam cara de assustados e incorporem os touros. Seu futuro agradecerá.

Agora…vou guardar a camiseta amarela, que não é da seleção (é da DEVASSA), e me preparar para uma batalha de várias análises em meio ao falso caos pós-carnaval.

Quanto aos ingleses… eu os perdi…. já as inglesas… vou correr levar uma das mais belas e elegantes damas que Buckingham já viu ao aeroporto amanhã antes da primeira reunião!

Bye bye, so long farewell…

Realmente, a minha alegria atravessou o mar!

Até a próxima terça!